quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

MAÇONS HAITIANOS MANTÊM AS TRADIÇÕES MAÇÔNICAS

Anônimo


Os Maçons do Haiti (de fato o primeiro país a conseguir sua independência na América, depois das 13 colônias inglesas) mostram um orgulho que gostaríamos de ver nos nossos.

Num país pobre, sofrido, esmagado pela superstição, pelo analfabetismo e pelas imensas dificuldades, ainda assim a Maçonaria floresce, quase um flashback de séculos atrás, sob luz da esperança de que é possível ascender, mudar, melhorar e evoluir.

Somos a terceira maior Maçonaria do mundo – e nos perdemos em questiúnculas desprezíveis, em baboseiras jurídicas, em disputas cretinas, em jogo imbecil de vaidades e ambições por títulos grandiloquentes à falta do devido mérito.

Claques e grupelhos ignoram as lições mais elementares da Instituição que mudou o mundo e nos legou a tolerância e o moderno sistema de democracia representativa, resvala na sua busca de poderes inúteis dos que necessitam de alfaias para se tornarem alguém.

Vejam nas fotos a pobreza material dos maçons haitianos e riqueza de suas posturas. São Maçons forjados na adversidade, Irmãos a quem devemos um profundo respeito.

E aqueles entre nós que “se decepcionam com a Maçonaria”, que façam por onde merecer a condição de Maçons. Não é a Maçonaria que tem de fazer “alguma coisa”. São os Maçons, fazendo ressurgir a Fênix das cinzas. 






















Nenhum comentário:

Postar um comentário